Dividends

Saiba tudo sobre dividendos de ações

Os dividendos de ações são uma ferramenta simples e poderosa para aumentar os seus rendimentos passivos. Leia este artigo e torne-se um especialista em dividendos.


É quase certo que quem investe em bolsa já ouviu falar em dividendos. Sim, é aquele dinheiro extra que cai na sua conta quando detém ações. Mas além disto, o que mais sabe sobre dividendos?

Vamos explicar de seguida todos os conceitos importantes. Estou certo que ao dominar os conceitos apresentados, sentir-se-á mais confiante para discutir o assunto e também para começar a equacionar esta forma de investimento.

Tudo o que necessita de saber sobre dividendos

  1. O que são dividendos de ações?
  2. O que é a taxa de rendibilidade ou dividend yield?
  3. O que é a data de ex-dividend?
  4. O que é a data de pagamento do dividendo?
  5. Qual a periodicidade de distribuição de dividendos?
  6. O que é o Payout?
  7. O que são dividendos extraordinários?
  8. Quais os impostos e taxas sobre os dividendos?
  9. Quais os riscos de investir em dividendos?
  10. E agora, devo investir em dividendos de ações?

1. O que são dividendos de ações?

De forma simples, os dividendos de ações são pagamentos efetuados por empresas listadas em bolsa aos seus acionistas, e correspondem geralmente a uma parte dos lucros. Isto significa que para os receber, terá de comprar títulos (ações) dessas empresas.
Por casa ação detida, recebe o valor do dividendo aprovado na Assembleia Geral de acionistas, para um determinado ano. Por exemplo, o valor proposto para o dividendo da EDP a distribuir em 2018 é de 0.19€. Se tiver 1000 ações da EDP, receberá 190.00€ brutos (1000×0.19€)

2. O que é a taxa de rendibilidade ou dividend yield?

O dividend yield é a taxa de retorno do dividendo, e calcula-se dividindo o valor do dividendo pelo preço da ação. É muito útil para comparar os dividendos de diferentes empresas ou da mesma empresa, em períodos distintos.

Suponhamos que tanto a empresa A como a B pagam um dividendo de 1€. Sabemos que se comprarmos 100 ações de cada, vamos obter exatamente o mesmo retorno absoluto do investimento, neste caso 100€. O que não sabemos, é quanto teremos que investir em cada uma delas.

Se cada ação da empresa A tem o preço atual de 10€, o retorno de investimento é de 1/10, ou seja 10%, tendo de investir um total de 1000€. Por outro lado, se cada ação da empresa B vale 100€, o retorno de investimento é 1/100, ou seja 1% sobre o valor investido, tendo de investir neste caso 10x mais para obter o mesmo rendimento em dividendos.

É importante destacar que a partir do momento que compra uma ação, o dividend yield não se altera até que haja alteração do valor do dividendo pago pela empresa.

Exemplo: Imagine que compra 100 ações da EDP a 3.00€ e que o valor do dividendo é de 0.19€. Enquanto o dividendo for de .19€, o seu dividend yield é de 6.33% (0.19/3).
Se o preço da ação cair posteriormente para os 2.5€, isso não altera o dividend yield do seu investimento. Continua com a taxa de retorno de 6.33%. Se eventualmente comprar então mais 100 ações a 2.5€, a rendibilidade do último lote de ações é de 7.6%, o que altera a rendibilidade média das suas ações da EDP para 6.91%, uma vez que o preço médio de aquisição é de 2.75€.

É por este motivo que diferentes investidores podem ter rendibilidades tão diferentes, mesmo que o número de ações seja igual. Se tudo o resto for igual, é preferível comprar quando os preços são mais baixos.

3. O que é a data de ex-dividend?

Ex-dividend é a data a partir da qual as ações negoceiam sem direito a dividendo. Se uma empresa entrar em ex-dividend a 21 de maio, só os acionistas que compraram e mantiverem as ações até ao dia 20, irão receber os dividendos relativamente a esse período.

A partir desta data, já poderá vender as suas ações, garantindo que receberá os respetivos dividendos.

Há um fenómeno que acontece e que poucos investidores estão ao corrente. Na data de ex-dividend, o preço da ação tende a cair o equivalente ao valor do dividendo.
Se o valor do dividendo for de 10% em relação ao preço do dia anterior, espere uma queda de 10% no dia de ex-dividend, pelo menos, durante algum momento da sessão.

É claro que no final da sessão, o preço pode estar acima ou abaixo desse valor, mas tal tem a ver com as flutuações normais de mercado para esse título.

Por esse motivo, se estava a pensar comprar ações de uma determinada empresa pouco antes da data de ex-dividend para as vender logo de seguida, tal poderá não ser uma boa estratégia.

4. O que é a data de pagamento do dividendo?

Esta é a data a partir da qual os dividendos são creditados na sua conta. Para ações portuguesas, é em média 3 dias após a data de ex-dividend. Há empresas do Reino Unido que pagam 2 meses após a data de ex-dividend.

Em suma, cada mercado pode ter um tempo médio distinto. Quando é conhecida a data de ex-dividend, é também apresentada a data de pagamento. Analise caso a caso.

5. Qual a periodicidade de distribuição de dividendos?

Anual, bi-anual, trimestral e mensal. Uma vez mais, depende das empresas e dos mercados em que estão listadas. As empresas portuguesas tendem a pagar 1 dividendo anual, geralmente em maio ou abril. Empresas da bolsa de Madrid, tendem a distribuir 2 vezes por ano. Empresas americanas, fazem-no geralmente trimestralmente e os fundos de ações americanas, mensalmente.
Há para todos os gostos. Tendo uma carteira de ações bem distribuída, pode ter dividendos a entrar na sua conta todos os meses. Yupii!!

6. O que é o Payout?

O payout é a percentagem do valor do dividendo em relação aos lucros. Empresas mais conservadoras, distribuem até 50% dos seus lucros, usando o restante para reinvestir no negócio. Empresas saudáveis, não excedem em regra, os 75%-80%.

Como regra geral, fuja de empresas que se endividam para manter os acionistas felizes através da distribuição de dividendos. Se investir numa empresa com payout elevado (por vezes, acima de 100%), certifique-se que o estão a fazer pelos motivos certos, e.g. receitas extraordinárias com venda de algum imóvel, excesso de dinheiro em caixa, etc. Invariavelmente, um payout elevado é sinónimo de cortes futuros no valor dos dividendos.

7. O que são dividendos extraordinários?

Os dividendos extraordinários são, pela sua natureza, irregulares e manifestam-se quando ocorre um evento extraordinariamente positivo. A sua ocorrência num determinado ano, não garante que ocorram nos anos seguintes.

Entre os vários motivos, destacam-se os seguintes:

  • A empresa apresenta lucros muito superiores ao estimado.
  • A empresa tem reservas de capital elevado e decide distribuir parte desse capital pelos acionistas, em vez de o investir no negócio.
  • A empresa vende imóveis ou uma unidade de negócio, etc.

8. Quais os impostos e taxas sobre os dividendos?

Os rendimentos de capitais provenientes de dividendos de ações de empresas portuguesas, estão sujeitos (à data de hoje e em Portugal), a retenção na fonte a uma taxa de 28%.

Dos 190.00€ do exemplo no início do artigo, só verá 136.80€. Os restantes 53.20€ são retidos pelo seu banco ou corretora para proceder ao pagamento do imposto por si.

Por esse motivo, não necessita de declarar estes rendimentos se não optar pelo englobamento.

Há contudo outras taxas que a instituição onde comprou as ações lhe poderá cobrar. Convém ler muito bem o preçário para estar a par de quaisquer taxas adicionais já que 2% costuma ser um valor comum. Por alto, considere que receberá um valor líquido de aproximadamente 70% do dividendo.

9. Quais os riscos de investir em dividendos?

Para investir em dividendos, necessita de investir em bolsa. E a verdade é que não há nenhum fundo de garantia aos seus investimentos em bolsa. No pior dos casos, poderá perder todo o dinheiro que investiu.

Considero no entanto que, a probabilidade disso acontecer é reduzida para empresas sólidas e com um bom modelo de negócio. Mas mesmo que uma determinada empresa não entre em falência, o seu preço pode cair vertiginosamente.

Há ainda o risco da empresa baixar o dividendo ou deixar mesmo de o pagar.

De forma a mitigar estes riscos, deverá fazer o seu trabalho de casa e ser diligente na seleção de empresas. Sempre que puder, peça aconselhamento profissional.

Dica: Dedique mais tempo a analisar um investimento do que a comprar o seu computador.

10. E agora, devo investir em dividendos de ações?

Bem, essa é uma decisão que só você poderá responder. Ninguém sabe a direção do mercado. Hoje pode estar a ganhar 10% e amanhã, a perder 20%. O mercado é volátil e imprevisível.

Considere investir em ações se:

  1. Compreende os riscos e tudo o que este artigo apresenta.
  2. Não é avesso ao risco e suporta a “dor” de ver o seu investimento a perder 10% ou 20%, por vezes mais.
  3. Tem dinheiro de lado para uma emergência. O mercado pode cair e estar muito tempo sem poder vender as suas ações (com lucro). Se tiver um montante de lado para emergências, ficará mais tranquilo se e quando esses momentos acontecerem.
  4. Faz o trabalho de casa. Seja diligente na escolha das empresas em que decidir investir.
  5. Usa o seu próprio dinheiro. Não peça dinheiro emprestado para investir em bolsa, a não ser que seja um profissional e saiba o que está a fazer. Alavancar o seu investimento é muito bom quando o mercado está a seu favor, mas um verdadeiro desastre se este lhe virar as costas.
  6.  Pede aconselhamento profissional. Ter uma opinião profissional ajuda-o a analisar o investimento de outra perspetiva, mais racional e menos emocional.

Aceda ao Calendário de distribuição de dividendos para 2018 e descubra as empresas que pagam mais em dividendos

Site Footer

Sliding Sidebar

Acerca de mim

Acerca de mim

Olá, chamo-me Sergio e sou apaixonado por finanças pessoais e independência financeira. Sou licenciado em Engenharia Informática e apesar do meu fascínio por finanças pessoais, não tenho formação oficial para lhe recomendar estratégias ou produtos de investimento. Analise de forma critica e construtiva o que escrevo e utilize o seu bom senso. Acima de tudo, seja 100% responsável pelas suas ações. Como dizia o Bruce Lee, "aproveite o que lhe é útil e rejeite o que não é". Dito isto, espero que juntos possamos traçar metas e definir objetivos para nos tornarmos financeiramente livres. Obrigado por me acompanhar.